O IAB e o momento atual

Autor: IAB-DN Data: 18/03/2016

Departamento: Nacional

Ante o quadro político e econômico em que se encontra o país, o Instituto de Arquitetos do Brasil reafirma o seu compromisso em defesa da democracia e da Constituição. O IAB reitera suas manifestações públicas, no mesmo sentido, expedidas na ocasião dos movimentos de junho de 2013 e em abril de 2015.

Aliado historicamente às forças democráticas, o IAB lutou contra o nazi-fascismo, pelas Reformas de Base, contra a ditadura militar, pela Anistia, pelas Diretas Já, pela Constituição Cidadã, pelo impeachment de Collor. Colaborou para a promulgação do Estatuto das Cidades e do Estatuto da Metrópole. Cunhou a expressão Reforma Urbana e a colocou na pauta política há cinquenta anos. Defende o Direito à Cidade como plataforma permanente.

O IAB reconhece que o quadro de dificuldades atuais, com graves repercussões para o exercício da profissão da arquitetura e do urbanismo, tem um de seus fundamentos no modo como o Brasil tem tratado a produção de seu espaço construído. Assim, tem a convicção que o Planejamento Urbano e o Projeto Completo são instrumentos fundamentais para a redução das desigualdades sociais e a democratização das cidades. O IAB considera indispensável a revogação do regime da Contratação Integrada/RDC e a promoção de um sistema de Planejamento como função de Estado.

O Instituto de Arquitetos do Brasil não apoia golpes. O IAB confia nas instituições democráticas para a superação das dificuldades do país. Reconhece a soberania popular como fonte da legitimidade política.
 
Rio de Janeiro, 18 de março de 2016.
 
Sergio Magalhães, Presidente - Irã Dudeque, Vice-Presidente - Fabiana Izaga, Secretária-Geral - Carlos Lucas Mali, Vice-Presidente Região Centro Oeste - Fabiano de Melo Duarte Rocha, Vice-Presidente Região Nordeste - Claudemir José Andrade, Vice-Presidente Região Norte - José Armênio de Brito Cruz, Vice-Presidente Extraordinário - Solange Souza Araújo, Vice-Presidente Extraordinária   Tiago Holzmann da Silva, Vice-Presidente Extraordinário - Rosilene Guedes de Souza- Vice-Presidente Extraordinária -  Norma Taulois, Diretora Administrativa e Financeira - Cêça Guimaraens, Diretora Cultural - Pedro da Luz Moreira , Diretor para o Congresso UIA2020Rio.

Post sem comentários! Comentar o post

Comentários (25)

Para mim, como arquiteto, fico extremamente triste por ver uma instituição se colocar como apoiadora de um governo comprovadamente corrupto, que faz manobras golpistas para colocar um sujeito que é um ladrão como ministro, apenas para se safar de uma investigação.
Se o IAB não apóia golpe, deveria apoiar o juiz Mouro, homem honrado que está fazendo um papel importantíssimo na história de nosso país.
Se o IAB não apóia golpe, deveria, assim como na ocasião do Collor, se colocar mais uma vez a favor do que é certo, a favor do impeachment da atual presidente.
E para terminar, apenas para ficar claro, façam uma consulta aos profissionais que vcs dizem representar, e irão notar que este posicionamento é de uma minoria.
Fiquem com Deus.

responda esse comentário>>

Sugiro o envio para imprensa e para Câmara Federal e Estadual, em especial para os que formam a Comissão do impeachiment.

Me sinto orgulhosa com a posição da entidade

responda esse comentário>>

Agora sim o IAB me representa... todos os IABs do Brasil deveriam se posicionar quanto a essa questão! todas essas entidades de classe inclusive o conselho deveriam seguir esse exemplo e deixar claro de que lado estão, não ficar indiferente com o quadro politico a economico atual do país, pois atinge a classe por inteiro. Parabéns ao IAB pela iniciativa.

responda esse comentário>>

Acontece que não vai ter golpe, vai ter impeachment!
A IAB e o PT apoiaram o impeachment do collor, e agora isso virou golpe? Francamente...É colocar o interesse pessoal e partidário acima da nação. A OAB já aprovou pedido de impeachment e a legalidade é evidente.
lei nº 1079/50:
Art. 2º Os crimes definidos nesta lei, ainda quando simplesmente tentados, são passíveis da pena de perda do cargo, com inabilitação, até cinco anos, para o exercício de qualquer função pública, imposta pelo Senado Federal nos processos contra o Presidente da República ou Ministros de Estado, contra os Ministros do Supremo Tribunal Federal ou contra o Procurador Geral da República.
Art. 4º São crimes de responsabilidade os atos do Presidente da República que atentarem contra a Constituição Federal, e, especialmente, contra:
II - O livre exercício do Poder Legislativo, do Poder Judiciário e dos poderes constitucionais dos Estados;
V - A probidade na administração;
VI - A lei orçamentária;

Ao meu ver, fechar os olhos para corrupção e os crimes flagrantemente cometidos é como apoiar o nacismo alemão simplesmente porque foi popularmente constituído.

responda esse comentário>>

O IAB-DN deve também colocar-se contra a corrupção e o apadrinhamento político que tantos males causam ao Brasil. Esse desvirtuamento no trato com a coisa pública é co-responsável pela péssima situação dos sistemas públicos de educação, saúde e demais áreas, pela destruição de empresas públicas prestadoras de serviços relevantes ao país e pela transformação do Estado em arranjo entre detentores dos poderes político e econômico.

responda esse comentário>>

Prezado Moderador,

Onde estão os comentários?

Grato,

responda esse comentário>>

Bem, o IAB nunca conseguiu ser representativo dos arquitetos, principalmente quando começou a ter arquitetos! Também nunca quis! Sempre foi resultado de um grupo (inho), não no sentido pejorativo, mas no sentido quantitativo! Nunca teve o propósito de ser qualitativo, até porquê tem um papel inexpressivo diante da opinião pública, se é que o público tem uma opinião sobre o que lá seja o Instituto dos Arquitetos do Brasil - IAB. Alguns vão pensar que é uma faculdade, outros um programa de previdência para arquitetos, os mais sindicais vão dizer que é o sindicato dos arquitetos e a grande maioria dos arquitetos não vão dizer nada, pois o IAB não representa, para nós arquitetos e urbanistas, absolutamente NADA!
Já necessitamos tanto que alguém deste grupo se manifestasse pela arquitetura, mas sobretudo pelos Arquitetos, aí vem um posicionamento isolado, partidário sem respaldo, sem consulta, sem representatividade!
Daí, quando Nada, diz nada com nada, o resultado é esta enorme besteira que só colabora, fortemente, para continuar distante dos arquitetos, sendo o quê mesmo? Há me lembrei, NADA!

responda esse comentário>>

COMO O NOSSO IAB SE POSICIONOU CONTRA TODAS AS DISTORÇOES POLÍTICAS E DITADURAS,CHEGOU A HORA DE MARCHAR JUNTO COM TODAS AS PESSOAS DECENTES DESTE PAÍS,NO COMBATE A ESSE PSEUDO PARTIDO CHAMADO PT QUE ESTÁ CORROENDO TODAS AS BASES DA ECONOMIA,TENTANDO MINAR AS INSTITUIÇOES,ROUBANDO E ACABANDO COM AS NOSSAS PROFISSOES.
CHEGA DE LOROTA.NAO É Ö TRATAMENTO DA PRODUÇAO DO ESPAÇO CONSTRUÍDO QUE ESTÁ NOS LEVANDO A TER DIFICULDADES".É ESSE PARTIDO CUJO DESGOVERNO ESTÁ CHEGANDO AO FIM,CAÍNDO DE TANTA PODRIDAO.

responda esse comentário>>

O IAB deveria se ater ás suas atribuições e não apoiar ou desapoiar nada além dos arquitetos do Brasil e da arquitetura em si.
Também não sou a favor de golpe algum, porém, o IAB tem que saber que fala por muitas pessoas com idéias diferentes.
Esse tipo de atitude é típico de sindicatos e não de institutos com atribuições realmente sérias.

responda esse comentário>>

"O Instituto de Arquitetos do Brasil não apoia golpes." Realmente era melhor ter ficado calado. 100% dos brasileiros não apoia golpes. O que alguns chamam de golpe, outros estão entendendo de maneira diferente.
Enquanto instituição representante de milhares de profissionais, o IAB deveria se manter em posição neutra ao invés de querer se posicionar unilateralmente em nome de seus associados. Por essas questões que não tenho vontade de me associar a uma instituição que faz parcos movimentos em nome do crescimento e popularização de nossa profissão.
No dia que quiserem realmente trabalhar em nome dos arquitetos, podem me procurar. Atenciosamente, Vinicius Gonçalves

responda esse comentário>>

um instituto que se preze não se coloca no apoio a grande farsa que se apresenta neste governo. é lamentável ver uma visão tão arcaica e reduzida da situação nacional, onde a vergonha ultrapassa as fronteiras nacionais. corrupção é a palavra de ordem, e as negativas de propriedades, quer sejam sítios, apartamentos no guarujá ou contas na suiça não convencem mais, tampouco uma palestra ao custo de 300 mil reais... tenham santa paciência...

responda esse comentário>>

Bom dia, vcs só podem estar de brincadeira né. Acho errado vocês se posicionarem politicamente sem uma consulta aberta a todos, eu disse TODOS os arquitetos. Pois da minha turma de arquitetura, não conheço nenhum arquiteto com uma ideia tão míope quanto o posicionamento de vocês. VOCÊS NÃO ME REPRESENTAM COM ESSE COMENTÁRIO!!!

responda esse comentário>>

Gostaria de saber sobre qual consulta aos associados esse posicionamento foi baseado?

responda esse comentário>>

O IAB como um orgão livre de unanimidade e apartidario, não deveria nem se pronunciar sobre esse assunto, fico envergonhado...

responda esse comentário>>

Solidário-me com o IAB pela postura em defesa dos direitos democráticos e pelas garantias constitucionais em risco em nosso pais neste momento. Parabéns a esta instituição que sempre enfrentou com coragem e determinação as lutas pelos direitos dos arquitetos brasileiros.

responda esse comentário>>

Ridícula essa posição de vocês que estão colocando palavras na boca dos arquitetos do Brasil, sem que os mesmos foram consultados para o tal, lembrando que repudiamos qualquer ato ilícito, pelo mesmo eu como outros arquitetos sairemos da cobertura de vocês, que querem nos fazer de massa de manobra. Lamentável a situação que essa classe chegou. #triste

responda esse comentário>>

Caros colegas de profissão. Respeito a opinião do IAB, mas como arquiteto, portanto, ligado ao órgão mesmo que involuntariamente, sinto-me no direito de expressar meu descontentamento com uma nota que sugere um consenso da categoria.
Se o IAB manifesta-se contrário ao golpe e de acordo com a Constituição, então deveria expressar claramente o seu apoio ao processo de afastamento da presidente, que incorreu em crimes de responsabilidade especificados no art, 85 da CF, incisos II, V, VI. A lei que regulamenta o processo de impeachment é a lei 1079/50. Portanto, aqueles que cobram o afastamento legal da presidente, estão amparados pela lei suprema e pela lei citada. Quanto ao reconhecimento da soberania popular, o IAB deveria expressar-se inequivocamente a favor dos 68% de brasileiros que apoiam o impeachment, segundo pesquisa do Datafolha de 19 de Março.
Se a posição do IAB é a favor da legalidade, o IAB deveria tornar sua nota inequívoca e clara para os brasileiros e para os profissionais, que como eu, sentiram-se mal representados pela falta de clareza e incoerência desta nota.

responda esse comentário>>

Solicito esclarecimento urgente,
No manifesto IAB E O MOMENTO ATUAL -
CONSTAM OS NOMES ABAIXO COMO SIGNATARIOS:
Sergio Magalhães, Presidente - Irã Dudeque, Vice-Presidente - Fabiana Izaga, Secretária-Geral - Carlos Lucas Mali, Vice-Presidente Região Centro Oeste - Fabiano de Melo Duarte Rocha, Vice-Presidente Região Nordeste - Claudemir José Andrade, Vice-Presidente Região Norte - José Armênio de Brito Cruz, Vice-Presidente Extraordinário - Solange Souza Araújo, Vice-Presidente Extraordinária Tiago Holzmann da Silva, Vice-Presidente Extraordinário - Rosilene Guedes de Souza- Vice-Presidente Extraordinária - Norma Taulois, Diretora Administrativa e Financeira - Cêça Guimaraens, Diretora Cultural - Pedro da Luz Moreira , Diretor para o Congresso UIA2020Rio.

Entretanto, nao constam os nomes dos Presidentes das Regioes Centro Oeste, Nordeste e Norte, assim como das regioes SUL E SUDESTE.
Se o documento nao alcançou unanimidade, nos associados solicitamos que seja feita uma ressalva sobre quantos departamentos efetivamente assinaram tao importante manifesto. Visto que ao lado consta a listagem de todos os departamentos.
Atenciosamente,
Arquiteta Vera Lucia Braun Galvao
CAU A-0894-0

responda esse comentário>>

Com referencia ao documento "O IAB e o momento atual", de 18/3/16 gostaria de externar minha estranheza quanto ao documento. Quantos Presidentes assinaram? Neste caso nao e necessaria a aprovacao pelo Conselho Superior? Pode o IAB usar um documento desse tipo acusando de golpe medidas constitucionais? Seria de todo interessante que os associados conhecam a origem e aprovacao desse documento, no minimo discutivel. Aproveito para indagar se a cor do logotipo do Instituto tambem foi aprovada pelo Conselho ja que a original era azul. Att, Marco Antonio de F. Galvao, ex Presidente IAB-DF

responda esse comentário>>

Solicito esclarecimento urgente,
No manifesto IAB E O MOMENTO ATUAL -
CONSTAM OS NOMES ABAIXO COMO SIGNATARIOS:
Sergio Magalhães, Presidente - Irã Dudeque, Vice-Presidente - Fabiana Izaga, Secretária-Geral - Carlos Lucas Mali, Vice-Presidente Região Centro Oeste - Fabiano de Melo Duarte Rocha, Vice-Presidente Região Nordeste - Claudemir José Andrade, Vice-Presidente Região Norte - José Armênio de Brito Cruz, Vice-Presidente Extraordinário - Solange Souza Araújo, Vice-Presidente Extraordinária Tiago Holzmann da Silva, Vice-Presidente Extraordinário - Rosilene Guedes de Souza- Vice-Presidente Extraordinária - Norma Taulois, Diretora Administrativa e Financeira - Cêça Guimaraens, Diretora Cultural - Pedro da Luz Moreira , Diretor para o Congresso UIA2020Rio.

Entretanto, nao constam os nomes dos Presidentes das Regioes Centro Oeste, Nordeste e Norte, assim como das regioes SUL E SUDESTE.
Se o documento nao alcançou unanimidade, nós associados solicitamos que seja feita uma ressalva sobre quantos departamentos efetivamente assinaram tao importante manifesto. Visto que ao lado consta a listagem de todos os departamentos.
Atenciosamente,
Arquiteta Vera Lucia Braun Galvao
CAU A-0894-0

responda esse comentário>>

Lamentável o posicionamento do IAB em apoio a um governo que financiou sua campanha com bilhões roubados da Petrobras e outras empresas e órgãos estatais. Esse é o verdadeiro golpe, que compromete a democraciace o futuro do Brasil.

responda esse comentário>>

Gostaria que vcs definissem melhor neste documento o que significa não apoia golpes. Como vocês devem saber, a grande maioria dos escritórios e arquitetos desse país está sem trabalho, por conta deste governo que está aí instaurado. Não gostaria que este instituto que me representa, manifestasse posições contrárias a isso. No mínimo que se cale em relação a esse assunto.

responda esse comentário>>

Golpe?!
Manifesto cínico é ter muita má fé para dar voz a propaganda deste governo do crime!
Este foi dado pelos saqueadores do bem público! Governo que saqueou fundos de pensões de aposentados, institucionalizou a corrupção, geriu ao interesse do partido e de aliados do crime programas e projetos necessários ao desenvolvimento do país e que deixará após 15 anos no poder o caos em todos os setores da sociedade. Diferente de 64 quando o país desenvolveu economicamente e socialmente mesmo com as tentativas do terror comunista para criar uma sociedade escrava de uma ideologia genocida não tivemos marcas tão graves na sociedade como a deste governo atual que iremos sofrer por algumas décadas na tentativa de recuperar os atrasos ideológicos dos corruptos que nos governaram.

responda esse comentário>>

Prezados colegas, boa tarde. Vivemos em uma democracia e em um estado de direito. O processo de impeachment tem obedecido a todas as normas e dispositivos legais, conforme já se pronunciaram alguns dos Ministros do Supremo tribunal Federal e a própria OAB. Nao sei se os arquitetos do IAB entendem o texto Constitucional ou a lei n. 1079/1950. Mas o que foi aprovado na Camara e será votado no Senado é o processo de afastamento de um governante flagrado em crimes de responsabilidade. Quando o IAB cita nao apoiar golpes. Espero que seja relacionado às tentativas de compra de parlamentares feitas pelo Planalto ou a tentativa de se convocar novas novas eleicoes, imediatamente apos o impeachment, que nao consta em nenhum dispositivo legal. Sentiria muita vergonha caso o IAB repetisse a falácia de que o impeachment é golpe. Golpe foi a compra de parlamentares no caso do Mensalao e do Petrolao, ou seja, interferencia na independencia do legislativo, caracterizado como crime de responsabilidade pela Constituicao. Esta nota do IAB nao está a altura da nossa classe!

responda esse comentário>>