Janot renuncia ao conselho do CAU-RJ

Data: 12/04/2014

Departamento: Nacional

O arquiteto e urbanista Luiz Fernando Janot renunciou nesta sexta-feira ao cargo de conselheiro no Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Rio de Janeiro (CAU-RJ). A decisão foi provocada pela insistência da entidade no apoio ao polêmico concurso do BNDES para a construção do prédio anexo à sede, no Rio de Janeiro. O edital não respeita as diretrizes da União Internacional dos Arquitetos (UIA), órgão consultivo da Unesco, e do Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB), especialmente no que diz respeito aos direitos autorais e à contratação do vencedor para o desenvolvimento do projeto.

Desde fevereiro, o IAB se manifesta publicamente contra o concurso e solicita que o CAU-RJ retire o seu apoio. Luiz Fernando Janot, que também é coordenador geral de concursos do IAB-RJ, chegou a publicar carta em que manifestava posição contrária ao formato do concurso e fazia um apelo para que o conselho retirasse o seu apoio (leia a carta aqui).

A decisão não é a primeira manifestação de protesto contra Concurso BNDES. Semana passada, o arquiteto Jaime Lerner, ex-prefeito de Curitiba, ex-governador do Paraná e ex-presidente da UIA, decidiu deixar o corpo de jurados do concurso pelos mesmos motivos de Janot.

Post sem comentários! Comentar o post

Comentários (05)

Repudiável a postura do CAU RJ e profundamente lamentável, mas compreensível, a saída de Janot! Fará falta, sem dúvida!

responda esse comentário>>

devemos ficar atentos! depois de décadas de luta pelo CAU não podemos deixar que se transforme num órgão burocrático, arrecadador e punidor, como a situação anterior!

responda esse comentário>>

Parabéns Janot! Outro concurso com fraudes como o do CONFEA merecem todo o repúdio dos homens de bem!

responda esse comentário>>

O colega ao afirmar isso tem o dever de apontar exatamente onde está a fraude. Afirmações vazias levam à falta de credibilidade, o que nenhum profissional ou instituição como o IAB deseja. Vamos debater o mérito da questão, mas sem baixar o nível e sem manifestações de rompante. É melhor agir com inteligência para alcançar o resultado. A discussão deve ser no âmbito do TCU, de maneira maior, não em um concurso específico, pois isso diminui muito a importância do que deve ser tratado. Lamento a saída do grande Janot !

Como órgão do governo federal o BNDES, na opinião do IAB, não deveria acatar acórdão do TCU?

responda esse comentário>>