IAB-AM apresenta carta contra a destruição de casa do poeta Thiago Mello, projetada por Lúcio Costa

Data: 11/11/2013

Departamento: Nacional

A ameaça de demolição da casa do poeta Thiago Mello, projetada pelo arquiteto Lúcio Costa, no município de Barreirinha, motivou a presidência do IAB-AM a redigir uma carta, durante a última edição do Q+50, realizada no Palácio Quitandinha, nos dias 8 e 9 de novembro, de apoio à preservação e à valorização do imóvel. A Prefeitura de Barreirinha, a 331 quilômetros de Manaus, quer remover a casa por causa das obras de revitalização da orla da cidade. Leia abaixo a íntegra da carta:
 

Carta de Apoio a Preservação e Valorização da Casa Thiago de Mello, projetada por Lúcio Costa.


 
 

Lúcio Costa e o patrimônio.


 
 
A sociedade que destrói o patrimônio edificado perde sua identidade e referências e compromete o desenvolvimento com vistas a um futuro promissor.

Os critérios para a valorização de edifícios patrimoniais dependem das circunstâncias de cada local, dos processos históricos e das expectativas de desenvolvimento com preservação dos valores ambientais e culturais.

Edifícios notáveis podem impor sua valorização patrimonial pela própria presença no contexto social e urbano assim como edificações modestas, porém significativas nos processos de desenvolvimento social e cultural.

A casa projetada por Lúcio Costa para o poeta Thiago de Mello, na cidade de Barreirinha/AM., constitui uma rara combinação de talentos: um dos mais notáveis arquiteto e urbanista do Século XX no contexto internacional, e um dos escritores destacados do Brasil. O resultado edificado de tal conjunção merece respeito e valorização, não só pelo significado no contexto amazonense, mas pela transcendência na cultura brasileira.
           
A casa manifesta o pensamento elaborado e difundido por Lúcio Costa ao longo da sua vida em relação aos critérios de racionalidade e adaptação de um projeto ao contexto cultural e climático.
           
Os valores da casa representam princípios universais e transcendentes da projetação arquitetônica adaptados e condensados nas demandas específicas de Thiago de Mello e do lugar. A sofisticada simplicidade das soluções espaciais e construtivas da casa de Thiago de Mello constitui uma lição de arquitetura, cujos ensinamentos, vigentes ainda hoje, fundamentam sua preservação e valorização. Além do valor arquitetônico excepcional da construção, a oportunidade de utilização da casa para fins culturais torna-se também evidente em face da importância nacional do autor e do cliente.
           
A obra e a memória de Lúcio Costa, um dos inspiradores e fundadores do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), devem ser preservadas e respeitadas, pois o nosso maior mestre e arquiteto trabalhou, com talento e dedicação, pela permanência dos testemunhos construídos e pela valorização da cultura brasileira.
           
Outro reconhecido arquiteto do século vinte, Oscar Niemeyer, sócio e parceiro de Lúcio Costa, elaborou projetos para muitas cidades do Brasil. Essas edificações prestigiam e valorizam a cultura dessas cidades.
Portanto, resulta contraditório e incompreensível admitir interesses movidos para a destruição da casa do poeta Thiago de Mello, parte inestimável da obra do renomado arquiteto Lúcio Costa que muitas cidades ficariam orgulhosas em possuir.
           
As recentes demolições de edifícios de interesse patrimonial em diferentes cidades do Brasil têm motivado a reflexão acerca de ações danosas, que provocam perdas irreparáveis para a memória social e a identidade cultural. Movimentos sociais e reivindicações profissionais e acadêmicas têm se tornado habituais na defesa dos valores da cultura brasileira.

Os prováveis interesses em demolir a casa do poeta Thiago de Mello levam o Instituto de Arquitetos do Brasil a promover a necessária reflexão, de modo a estimular ações orientadas à preservação e integração deste patrimônio à vida cultural da cidade. Decisões neste sentido significarão uma contribuição de inestimável valor para a cultura brasileira.
 

Petrópolis/RJ, 8 e 9 de Novembro de 2013.


 
 

Instituto de Arquitetos do Brasil




(Crédito da foto: Claudio Leal)
 

Post sem comentários! Comentar o post

Comentários (07)

Caríssimos,
A casa de Barreirinha, do arquiteto Lucio Costa, foi estudo de caso de minha dissertação de mestrado pelo PROARQ FAU/UFRJ, em 1998, intitulada: "Estudo da funcionalidade e semiótica na arquitetura no programa de residência unifamiliar erudita no período de 1973 a 1982".
Solicito maiores esclarecimentos.
Atenciosamente,
Arquiteto e Prof. Dr. Paulo Antonio Pereira Igreja

responda esse comentário>>

De parabéns o IAB/AM que está de antena ligada em nosso patrimônio cultural, alertando a comunidade técnica e geral para este tipo de barbárie contra a arquitetura brasileira.

responda esse comentário>>

Compete a nós arquitetos e urbanistas , promover o IPHAN , assim a República se fortalece.
Parabéns aos nobres colegas, pelo trabalho que o IAB e o CAU vem prestando.

responda esse comentário>>

Compete a nós arquitetos e urbanistas , promover o IPHAN , assim a República se fortalece.
Parabéns aos nobres colegas, pelo trabalho que o IAB e o CAU vem prestando.

responda esse comentário>>

Compete a nós arquitetos e urbanistas , promover o IPHAN , assim a República se fortalece.
Parabéns aos nobres colegas, pelo trabalho que o IAB e o CAU vem prestando.

responda esse comentário>>

Excelente iniciativa do IAB. Essa é uma obra única de Lúcio Costa.

responda esse comentário>>

O que presenciamos no nosso País é o desprezo pela nossa história, valores culturais e profissionais ´de talento.
Parabéns IAB\AM temos que protestar!

responda esse comentário>>