Homenagem do IAB MS ao arquiteto e urbanista José Marcos

Data: 21/08/2019

Departamento: IAB MS

*27 de fevereiro de 1957  
+01 de junho de 2019
 
            José Marcos da Fonseca graduado em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e Pós-Graduado em Gestão Urbana e Regional na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, iniciou uma brilhante carreira profissional de muitas realizações que muito contribuiu com a arquitetura e o urbanismo do estado. Como sócio proprietário da Empresa Marco Arquitetura e Engenharia, executou obras civis e de restauração em Campo Grande, Corumbá, Ladário, Miranda, Ponta Porã, Brasilândia, Terenos, Sidrolândia, Aquidauana e Bela Vista.

            Era especialista em restauro e atuou em várias obras que compõem o patrimônio histórico do Estado. Defendia o papel do arquiteto na preservação do patrimônio histórico. Em uma de suas falas sobre a preservação de museus “O arquiteto e urbanista é o profissional que une o conhecimento necessário para integrar a arte e a técnica e, consequentemente, a História Humana. Materialmente, a História é preservada e imortalizada em vários locais e o principal deles são os Museus. Quanto maior for o envolvimento de nossa classe, maior será o crescimento da preservação e valorização desses locais.

            Foram 28 restaurações concluídas e mais três que estavam em andamento quando de sua morte. Esse olhar na arquitetura do passado fez dele um profissional competente e apaixonado pela arte do restauro.

         Em Campo Grande foram 8, citando algumas:
Museu Jose Antônio Pereira
Casa do Artesão
Morada dos Bais
Casa 1 – Vila Ferroviária, Casa 2 -Vila Ferroviária,
Casa da Inventariança IPHAN
Estação Ferroviária
Dona Salma SaigaliEm Miranda 1:
Escola Caetano PintoE deixou em andamento:
Igreja da Candelária (Corumbá)
Segunda restauração da Escadinha da XV de Novembro (Corumbá)
Escola Estadual Lúcia Martins Coelho (Campo Grande)          

Mas a sua maior realização foi, com certeza, participar da revitalização da Orla Ferroviária. Convidado a compor a equipe de planejamento, nasceu de suas ideias criativas o Monumento à Maria Fumaça. Sua paixão pela história era tamanha que mesmo fora da prefeitura, pediu para ser voluntário na conclusão deste Monumento, situado na Orla Ferroviária, conseguindo realiza-lo sem custos para a Prefeitura, através da iniciativa privada, empenhando seu tempo e até recursos próprios para possibilitar a sua conclusão e inauguração em outubro de 2018. 

             Mas o profissional Zé Marcos também tinha um olhar para o futuro, uma preocupação com o bem-estar coletivo e um amor imensurável por sua cidade natal, a morena Campo Grande.  

Entre as realizações como gestor municipal estão:  a Instituição do Sistema Municipal de Licenciamento e Controle Ambiental, a Instituição do Sistema Municipal de Licenciamento e Controle Ambiental (Silam), em 1995 (um dos pioneiros do país); a Primeira Lei de Uso e Ocupação de Solo de Campo Grande em 1988, revisada em sua gestão em 2005; o incentivo à criação do CMDU – Conselho Municipal de Desenvolvimento e Urbanização; a criação da Unidade de Planejamento Urbano, hoje PLANURB – Agência Municipal de Meio Ambiente e Planejamento Urbano; a criação do primeiro Plano Diretor de Campo Grande em 1995; a revisão do Segundo Plano Diretor de Campo Grande; as negociações para a criação do Parque do Municipal do Prosa, iniciadas em 1991, que culminaram com a criação do hoje Parque das Nações Indígenas, efetivado no governo de Pedro Pedrossian; incentivador e negociador da difícil retirada dos camelôs das ruas do centro da cidade, que culminou na criação do atual Camelódromo; iniciou a simplificação dos procedimentos para licenciamento urbanístico e ambiental, iniciando os estudos para a utilização do meio digital, hoje utilizado entre outras realizações de relevante importância no meio ambiente e no urbanismo da capital, sempre atento às transformações que ocorrem na cidade, pensando muito além do seu tempo. Nesta última gestão, auxiliou diretamente a PLANURB na revisão e consolidação do Plano Diretor, hoje já aprovado. Executou também, Planos Diretores em Brasilândia, Maracaju, Nova Andradina e Dourados.

Esse olhar diferenciado do arquiteto apaixonado pela história e com uma visão acima de seu tempo, sempre preocupado em buscar soluções para o bem-estar coletivo, fizeram de suas gestões um marco na capital sul-mato-grossense.

              Zé Marcos, como era chamado pelos colegas, sorria com os olhos e sempre com seu otimismo contagiante, fez de Campo Grande uma cidade melhor com a sua contribuição profissional e seu senso de respeito ao próximo.

            Zé Marcos participou do IAB-MS em 1982/1986. E agora nesta atual gestão 2017-2019 tivemos a honra e o privilégio de contar novamente com a sua participação, e que prazer de poder conhecer melhor este grande pensador e conselheiro. Com sua visão macro sempre pensando no melhor para nossa cidade, deixa seu legado de bom profissional e bom amigo. Defendendo que o exercício da cidadania com ações que contribuem para o convívio, ajuda na construção de um futuro e agem corretamente na cidade, tornando melhores cidadãos".

“A história de um homem mede-se pela sua contribuição para gerações futuras. Uma singela homenagem ao nosso amigo, colega e conselheiro do IAB MS José Marcos da Fonseca, Arquiteto e Urbanista que se dedicou incansavelmente pelo desenvolvimento da nossa capital, deixando seu legado de bondade e sabedoria em todos os caminhos que percorreu.”

Placa entregue pelo IAB MS a sua esposa Maria MATOS.
 
Este texto possui a contribuição com dados fornecidos pela sua esposa Maria Matos, familiares e amigos
* Adriana Tannus , Presidente do IAB MS - Instituto de Arquitetos do Brasil- Departamento de Mato Grosso do Sul- Gestão 2017-2019
 
 

Post sem comentários! Comentar o post