Discurso de entrega do Colar de Ouro a Clóvis Ilgenfritz

Data: 24/11/2019

Departamento: Nacional

Abaixo, íntegra do discurso de Luiz Antonio de Souza, arquiteto urbanista e secretário geral do IAB-DN, por ocasião da entrega do “Colar de Ouro” do IAB ao colega Clóvis Ilgenfritz da Silva na abertura do 21 Congresso Brasileiro de Arquitetos, em Porto Alegre, no dia 9 de outubro. Clóvis faleceu em 23 de novembro. Ao IAB, coube reconhecer e prestar a Clóvis, ainda em vida, esta mais que merecida e justa homenagem. Ele foi representado na solenidade pelos seus filhos. 

 
“Boa noite, estudantes, colegas, autoridades
 
É com enorme contentamento que pronuncio esta breve saudação ao filho, pai, tio, avô, gaúcho de Ijuí (Terra das Culturas Diversificadas por abrigar variados grupos étnicos), estudante, arquiteto, trabalhador, empreendedor, dirigente sindical, proseador, aviador, lutador, perseverante, sonhador, idealista, intelectual (orgânico), homem público, homem de partido, ao sujeito agregador colega e companheiro...e muito mais.
 
Uma breve saudação a Clovis Ilgenfritz da Silva, aqui representado por seus filhos Tiago e Camilo.
 
Sabemos que não temos motivos para festas – dado o nebuloso clima político e social que estamos vivendo, mas nos sobram motivos para buscarmos caminhos para refletir sobre nossos objetivos comuns – para isto estamos reunidos num Congresso –, e nada mais oportuno para começarmos esta caminhada juntos que homenagear um colega que vislumbrou uma outra forma de emprestarmos à sociedade brasileira o nosso saber, convencido que a arquitetura não pode se expressar apenas nas singularidades.
 
Foi assim que esse Colega e companheiro passou a dedicar-se ao convencimento de que uma nova doutrina do exercício e da prática profissional se impunham, até mesmo como desafio para atualização do sentido ético da Arquitetura no Brasil. E essa doutrina será a questão da política de moradia de interesse social.
 
Nesse sentido, o esforço político empreendido por esse cidadão-arquiteto foi promover o paradigma da Assistência Técnica à Moradia Econômica, sem dúvida, uma formulação política de pensar e construir cidades na dimensão da questão social da Arquitetura, sem perder a perspectiva de que o progresso social e a forma espacial estão sempre estreitamente relacionados, daí a
possibilidade de uma ação política a partir da arquitetura.
 
Delineou-se um pensamento crítico, uma proposta autóctone, nativa, assentada numa realidade de quem aprendeu a olhar o país, para o enfrentamento da questão urbana e da moradia. Nosso desafiador e desigual País, onde 1% dos mais ricos captura 28,3% dos rendimentos brutos totais (dados recentes do Relatório Global da Escola de Economia de Paris). Onde menos de 1% dos proprietários agrícolas detém 45% da área rural do país (dados do IBGE de 2016 e que o novo censo já mostra um aumento na concentração de terra). Onde 33 milhões de brasileiros não tem onde morar (ONU, 2018). Uma assustadora concentração de renda e riqueza facilmente traduzida em nossas cidades.
 
Homenagear é tornar público um agradecimento, por mérito, a atividades reconhecidas pelos seus pares. Foi com este objetivo que o Instituto de Arquitetos do Brasil concedeu ao arquiteto Clóvis Ilgenfritz o “Colar do IAB” – a sua maior comenda –, e assim manifestar este seu reconhecimento.

Sem dúvida, nosso Homenageado estimulou, através da sua prática e exercício político profissional, a necessidade de renovação dos olhares sobre o compromisso e inserção social do arquiteto na sociedade brasileira.
 
Como diz a tradição do mundo Kariri-Xocó “se quiseres conhecer um guerreiro olhe o seu colar” porque em seu pescoço traz seus títulos, habilidades, capacidade e sua formação ao longo de sua vida como membro de uma sociedade. O colar é uma identificação do guerreiro.
 
Fazia falta a Clovis Ilgenfritz o Colar do IAB essa identificação simbólica.
 
Saudemos todos (portanto) o guerreiro Clóvis que pensa a Arquitetura na
perspectiva política de compreender e (re)novar a importância da nossa existência social e técnica.
 
Obrigado Clovis !”
 

Post sem comentários! Comentar o post